Paraty

A charmosa Paraty respira história. Quem pisa seu chão coberto de irregulares pedras pés de moleque, testemunhas de outros tempos, se encanta com o que vai vendo: uma sequência de fachadas brancas com portas e janelas coloridas – amarelas, vermelhas, verdes… turquesas. Esse harmonioso conjunto de casas coloniais do Centro Histórico é Patrimônio Histórico pelo IPHAN e está pleiteando o título de Patrimônio da Humanidade junto à UNESCO.

Ladeado pela Mata Atlântica e pela Baía de Ilha Grande, o conjunto arquitetônico talvez seja o maior tesouro da cidade, mas não é o único. Cachoeiras e praias convidam ao descanso. Não se pode visitar Paraty sem fazer um passeio de barco, com toda calma do mundo, em graciosas embarcações de madeira (e depois levar para casa réplicas em miniatura que estão entre os mais singelos souvenires dos ateliês de artesanato da cidade).

A esse cenário mágico, somam-se concorridos eventos e festivais que já se tornaram parte da vida de Paraty. Ao reunir grandes escritores do Brasil e do mundo, entre eles alguns premiados com o Nobel, a FLIP (Festa Literária Internacional de Paraty) é a mais esperada – e famosa – delas. Mas é sempre bom ficar de olho no calendário da cidade, que recebe ainda o Paraty em Foco (Festival Internacional de Fotografia) em setembro; o Bourbon (Festival Internacional de Jazz), em maio; o Mimo (www.mimo.art.br) em outubro; a sagrada Festa do Divino, entre maio e junho; e um tradicional Carnaval de marchinhas.

Como Paraty é frequentada e habitada por muitos estrangeiros, são vários os idiomas que podem ser ouvidos nos restaurantes gourmet e nas mesinhas que se estendem pelas calçadas, perfeitas para degustar a típica cachaça local. Fora das datas festivas, o dia a dia nas ruas de pedra é tão pacato como se ainda vivêssemos na época do Ciclo do Ouro. É possível cruzar com uma charrete aqui, um carrinho de cocadas ali – e, de vez em quando, até com uma canoa, quando o esperado fenômeno da maré alta invade o centro, criando reflexos dos casarões portugueses no espelho de água do mar. Bucólica, romântica, nostálgica, poética: a atmosfera de Paraty é única.